Neymar e cia. O futuro do futebol

Estou impressionado com as recentes revelações do futebol brasileiro. Os novos valores surgem como uma grande esperança do “futebol-arte” brasileiro e uma esperança ainda maior para o departamento financeiro dos clubes. Cito três: Neymar, Keirrison e Ciro.

Keirrison já estava na mídia desde que subiu com o Coritiba para a Série A, mas desde então vem crescendo no conceito de todos. Ele se mostra um autêntico camisa nove e já desperta interesse de grandes clubes europeus. Em pouco tempo será titular de uma equipe importante do velho continente e vai render um bom dinheiro para o Palmeiras e seus parceiros.

Ciro, o “garoto dourado” do “ano de ouro” do Sport ainda é jovem, mas mostra qualidades importantes para um atacante, como velocidade, habilidade, raça e muito oportunismo. Ciro é a esperança da diretoria leonina de um bom lucro. O Sport, assim como outros pernambucanos, não tem uma boa receita com venda de jogadores, e isso precisa mudar. Daniel Paulista (R$ 2 milhões) foi só um aperitivo, Ciro (multa de R$ 40 milhões) deve ser o “prato principal”.

Neymar, multa de R$ 70 milhões. Elogiado por todos, o garoto de apenas 17 anos já é titular do Santos. O clube é famoso por revelar bons jogadores e lucrar com isso. Dificilmente ele permanecerá tanto quanto Robinho, mas pode ser vendido pelo mesmo preço, ou mais. Já tem muito “urubu” de olho no menino, a tarefa do Santos para mantê-lo no Brasil será muito árdua.

Os outros clubes que se inspirem nesses exemplos. O Brasil está cheio de craques, basta achar, contratar, treinar e principalmente, pôr para jogar (não é fácil, mas é possível). Um jovem craque só será um grande produto para o clubes se jogar, se for titular. Só assim os europeus, árabes, asiáticos, ou quem quer que tenha dinheiro, irá se interessar em pagar caro pelo atleta. Sentado no banco ninguém se valoriza.

Bota os meninos pra jogar!

Peço desculpas aos leitores, acredito que me expressei mal neste texto. Não sou a favor da transferência precoce dos atletas para o exterior, nem acho que os jogadores devam ser tratados como mercadoria. Mas, se a saída dos atletas é inevitável, que isso ao menos ajude os nossos clubes. E quem sabe no futuro teremos clubes mais fortes financeiramente e capazes de segurar os melhores atletas no país, algo quase impossível nos dias atuais.

***

Participe do Curso de Direito Desportivo, dias 06, 07, 13 e 14 de abril, das 18:30 às 21:30. A inscrição custa R$ 50,00. Faça já sua pré-inscrição no site da ESA. O programa está aqui.

Anúncios

7 Respostas

  1. Decepcionante este post. Botar os meninos pra jogar somente pra vender e lucrar? É futebol ou é feira livre? É jogador ou é melancia? Calma lá. Se os meninos forem bons mesmo vão conquistar seu espaço no momento certo, e não vão correr o risco de afundar suas carreiras. Você citou Daniel Paulista que foi vendido por 2 milhões, mas não citou que ele sofreu horrores lá na Romênia. Imagine se isso tivesse acontecido com um jogador mais inexperiente, como teria sido?

    Essa é a mentalidade de gente como Eurico Miranda, que só contribui para afundar o futebol brasileiro. Futebol, aliás, que era muito melhor quando se conseguia manter seus jovens valores por muito mais tempo em seus clubes.

    Eu hein!

  2. Gustavo, não tô falando para anunciar o jogador nos classificados não. Mas, colocar esses jogadores em campo é valoriza-los. A transferência de jogadores é uma receita essencial para os clubes, mas em Pernambuco não é essa a realidade. Veja que mesmo o Internacional, com o maior número de sócios no país, precisa “vender” um atleta por ano para manter o equilíbrio financeiro. Agora, quem compra prefere os jogadores mais jovens, que podem evoluir no esquema de jogo deles, são esses que valem mais. Daniel Paulista, por exemplo, já não é nenhuma criança, tanto que foi para a Romênia e não para um grande centro. O futuro de Ciro pode ser outro, pode ser um grande clube. É uma chance única, para ele e para o clube. Jogar na Europa é o sonho de qualquer jogador. Os que têm mais chance de ir para grandes clubes são exatamente esses jovens que se firmam desde cedo como titular. Anderson (Porto – Manchester), Lucas (Liverpool), Pato (Milan). Não é compra e venda, é uma transferência, que vai realizar o sonho do jogador e ajudar muito os clubes. Não sou eu que estou inventando, essa é a realidade. E não há como fugir do poder financeiro dos estrangeiros. Nem eles querem ficar, nem nós temos como segura-los aqui, isso é fato, só acrise para amenizar um pouco a situação.Os jogadores se vão, mais cedo ou mais tarde, e os clubes têm que aprender a lucrar com isso, pois na maioria das vezes ganham pouco ou quase nada. Não falo de comércio, mas de estratégia.

    Meu caro, eu também não gosto de ver nossos atletas saindo do Brasil tão jovens. Mas, o pior é vê-los saindo sem gerar receita para nenhum clube, como na maioria dos casos.

  3. Caros leitores, peço desculpas se o texto parceu mercantilista. Até eu achei depois que li o comentário do Gustavo. Mas, vou dizer uma coisa. É melhor colocar esses meninos em campo e os perder por uma grana alta, do que deixa-los no banco, sendo mal aproveitados (como acontece com a maioria), não evoluir (porque não joga), encerrar o contrato e adeus. Pode ser bom um pouco de estratégia.

  4. Concordo com você agora, mas a realidade é boa para poucos e ruim para a maioria. Você citou casos que deram certo, e de jogadores que já tinha se firmado em seus clubes aqui. Mas e quanto aos que foram parar na Rússia, Ucrânia, Japão, Arábia, Grécia? Acho que os jogadores só devem jogar quando estiverem maduros para isso. Por exemplo, o Sport. Ciro e Moacir na opinião experiente de Nelsinho, estão prontos agora. Ano passado estavam sendo testados. Já Kássio ainda não está pronto, apesar de ser um ótimo jogador. Aí vai botar Kássio pra ser titular mesmo assim? Lembro que na final da Copa do Brasil Kássio foi tirado de campo ainda no primeiro tempo, ficando “queimado”. Foi bom? Não foi. É preciso saber colocar os jovens em campo no momento certo e da forma correta.

    Diogo, da Portuguesa, foi pra Grécia. Se tivesse ficado um pouco mais no Brasil, ido para um time de maior repercussão, teria mais chances de estar nos grandes centros ou mesmo em um grande clube. Keirrison preferiu ir pro Palmeiras primeiro, pois do Coritiba ele só sairia para centros menores. É disso que to falando. No caso específico de Ciro, ele não precisa fazer isso pois o momento do Sport é de grande visibilidade.

  5. Gustavo, você está certo. Muitos jogadores, na ânsia de ganhar mais e ajudar a família, aventuram-se nos mais diversos lugares. Os jovens precisam se firmar nos clubes sim para poder se valorizar e se transferir para um grande centro. O que quis dizer com tudo isso foi que é importante colocar esses meninos para jogar, mesmo que não sejam titulares. Cito, por exemplo, Anderson Lessa do Náutico, que tem muita qualidade e já despertou interesse do Inetrnacional. Mas, despertou esse interesse porque jogou o sub-20. Se ele continuar esquenatndo o banco, sendo mal aproveitado, nenhum clube irá se interessar, muito mesnos os grandes europeus. Gosto do futebol do Kássio, acho que ele tem futuro, mas também precisa jogar. No ano passado o Sport apostou neles, esse ano está meio esquecido. Acontece que só jogando eles evoluem, valorizam-se e aparecem. Um dos maiores problemas do nosso país é a pouca quantidade de campeonatos de juniores, que seria bom para preparar esses garotos antes de colocá-los no time principal.

    Você citou Diogo, e está certo, ele podia ter ido para um lugar melhor. Mas os próprios clubes se rendem à primeira proposta. Os jogadores também. São raros os casos de jovens muito bons que permanecem por mais tempo no Brasil. O Santos sofreu mas manteve Robinho mais tempo, o que foi ótimo e fez ele sair apenas para o Real Madrid (melhor impossível). Hernanes permanece no São Paulo, mas porque é um jogador muito valorizado, que talvez só não tenha sido vendido ainda por conta da crise. Vamos esperar a janela para ver.

    Bom, só acho que os jovens precisam ter mais oportunidades. Não só por eles, mas pelo bem dos clubes. Não adianta querer formar jogadores se não lhes dão espaço no time titular. Os jovens precisam jogar e os clubes precisam que eles joguem se querem lucrar com futuras transferências.

    Gustavo, obrigado por sua mensagem, continue comentando que continuo respondendo. O debate é essencial.

  6. Com certeza. Eu acompanho seu blog sempre, e acho muito importante olhar pro futebol da forma que você olha. Mas não podemos nos preocupar mais com o mercado do que com o futebol em si.

    Esse tema que você levantou merece outros posts, até mesmo entrevistas com empresários e jogadores.

  7. Obrigado pela audiência Gustavo, e obrigado também pela sugestão.
    Abraço.

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: