Querem mudar a fórmula do Campeonato Pernambucano de novo.

Insatisfeita com a ausência de finais no último campeonato, a Federação Pernambucana de Futebol resolveu mudar a fórmula da competição mais uma vez. Agora, a ideia é fazer o estadual nos moldes do Campeonato Paulista, onde os quatro primeiros da fase inicial disputam semi-final e final pelo título.

Essa fórmula é, definitivamente, melhor do que a existente, pois não permite que um clube seja campeão direto, sem final. Era essa a forma de disputa defendida por Náutico e Santa Cruz no último conselho arbitral. Na época, a FPF foi contra e fez o possível para voltar ao esquema antigo, dois turnos com final entre os campeões de cada um, o que não aconteceu, pois o Sport venceu os dois.

Mas, a grande questão é: ESSA MUDANÇA É LEGAL?

Vejam o que diz o Estatuto do Torcedor, art. 9º, §5º:

§ 5o É vedado proceder alterações no regulamento da competição desde sua divulgação definitiva, salvo nas hipóteses de:

I – apresentação de novo calendário anual de eventos oficiais para o ano subseqüente, desde que aprovado pelo Conselho Nacional do Esporte – CNE;

II – após dois anos de vigência do mesmo regulamento, observado o procedimento de que trata este artigo.

Lembrem que em 2008 a fórmula foi aquela esdrúxula, onde quase não houveram clássicos e o Santa Cruz não enfrentou nenhum dos rivais. Para mudar daquela forma para a atual a FPF precisou fazer um pedido ao Juizado do Torcedor, que entendeu ser possível a mudança por ser de interesse do próprio torcedor. Mas, para ser legítima, a mudança precisava ser unânime. Não foi, mas o problema foi superado.

Agora, para mudar o regulamento de novo, a FPF precisa recorrer mais uma vez ao Juizado. Mas, dessa vez o argumento não poderá ser o mesmo, pois o regulamento atual é o tradicional no Campeonato Pernambucano. Então, se querem mudar, será preciso encontrar um fundamento jurídico para driblar a lei, o Estatuto do Torcedor.

Vejam que o que o Estatuto visa proibir com a regra citada acima é exatamente isso, a instabilidade das competições e a mudança constante no regulamento. É uma questão de segurança para o torcedor, que deve ter conhecimento do regulamento, não pode ficar na dúvida diante de tantas mudanças. Assim, busca-se mais estabilidade na competição e mais transparência nas regras e organização.

Vamos esperar pelo pronunciamento do Juizado do Torcedor sobre o caso.

Mas, é bom lembrar que de acordo com o art. 217 da Constituição Federal, as matérias sobre discplina e competição devem ser decididas pela Justiça Desportiva. Assim, quem deve se pronunciar primeiro é o TJD-PE.

Anúncios

7 Respostas

  1. Por mim mudaria, acho interessante o formato do Campeonato Paulista, inclusive Central, Porto (se participar) e Salgueiro terão chances de participar de uma finalíssima e quem, sabe ainda ocorre uma zebra, dos pequenos vencerem os grandes!

  2. Washington, também prefiro a forma do Campeonato Paulista. Mas, o problema é mudar de novo o campeonato, já que o Estatuto do Torcedor proíbe. Não dá para simplesmente passar por cima da lei. Estou torcendo para que haja uma brecha nessa lei onde o Juizado do Torcedor possa autorizar tal mudança.

  3. Essa fórmula de disputa do Campeonato Paulista é muito bom. A fórmula do Campeonato Carioca é também legal.

  4. […] Sugestão de leitura: Querem mudar a fórmula do Campeonato Pernambucano de novo […]

  5. Vejo dois pontos principais sobre essa questão do campeonato pernambucano, listados abaixo. A questão da transmissão pelo PFC, em tv fechada, deveria ser a questão nr 1 discutida pela FPF. Depois não vem dizer que os times pernambucanos tem menos receita que os do sudeste… A FPF DEVERIA FECHAR O CONTRATO COM O PFC… ISSO SIM…

    1) Temos que aproveitar a oportunidade para que o campeonato pernambucano seja transmitido pelo PFC, o que geraria receita para os clubes pernambucanos… Isso deveria ser a prioridade número 1 da FPF e não, a mudança do regulamento…

    2) A fórmula que eu considero justa e disputada ao mesmo tempo, são dois turnos de pontos corridos, sendo disputada uma final (e não semifinal) entre primeiro e segundo colocados. Se um estado tem três times principais, o terceiro é o “último”, não tem direito a querer nada. Campeonato paulista e carioca tem 4 times tradicionais… A gente pode até ter FINAL, mas não semifinal…. Daí poderiamos ter 3 finais, a do 1 turno, do 2 turno e a do campeonato, em duas partidas, com vantagem para o primeiro colocado disputar a 2 partida em casa e de ganhar com dois resultados iguais. Simples… Mas isso só poderia ser feito no proximo ano, por causa do Estatuto do Torcedor…

  6. Robson,

    1) Seria ótimo ter os jogos transmitidos pelo PFC, será que eles querem? Acredito que a FPF toparia na hora.
    2) Gosto do regulamento que foi aprovado, mas, na minha opinião, deveriam ser apenas 10 clubes. Acredito que em vez de criar polêmica deveriam mudar apenas no ano que vem, já buscando diminuir o nº de clubes.

    Saudações,
    Fernando Tasso

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: