Recesso!

Caros leitores do Extracampo,

Estamos aproveitano a Copa do Mundo, o São João e o recesso do Judiciário para tirar uma folga. Voltaremos em julho com novos artigos.

Saudações,

Fernando Tasso.

Anúncios

Dúvidas na no PL 5186 adiam votação de mudanças na Lei Pelé

Do Blog Torcida

O presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), senador Demóstenes Torres (DEM-GO), marcou para a próxima quarta-feira (9), às 9h30, nova reunião conjunta com as comissões de Assuntos Econômicos (CAE), de Assuntos Sociais (CAS) e de Educação, Cultura e Esporte (CE) para votar o projeto que altera a Lei Pelé (Lei 9.615/98).

Demóstenes disse que, embora o ministro do Esporte, Orlando Silva, tenha acertado com ele e o relator do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 9/10, senador Alvaro Dias (PSDB-PR), um texto aceito pelo governo, outros setores do Executivo manifestaram interesse em discutir a proposta, como a Presidência da República e os ministérios da Fazenda, da Justiça e do Planejamento.

Alvaro Dias afirmou que, apesar de o projeto ter tramitado por cinco anos na Câmara dos Deputados, até agora o governo não conseguiu dizer o que deseja sobre o assunto. Ele observou que a proposta é importante para o país e criticou a “insegurança” do Executivo.

Ex-atletas

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) – autor de várias emendas, algumas acolhidas e outras rejeitadas pelo relator – ressaltou que a matéria está avançando e elogiou Alvaro Dias por ter sido sensível aos apelos dos profissionais de educação física.

Uma das emendas de Crivella aceitas pelo relator suprime dispositivo do projeto que assegura a ex-atleta que tenha exercido a profissão por três anos consecutivos, ou cinco alternados, o direito de trabalhar como monitor na respectiva modalidade esportiva.

Os profissionais de educação física, que acompanharam a votação na CCJ, manifestaram-se contrários a esse dispositivo, porque os ex-atletas estariam invadindo seu campo de atuação.

Direito de arena

O parecer de Alvaro Dias restringe o direito de arena à transmissão da imagem. O direito de arena é a prerrogativa exclusiva da entidade desportiva de negociar, autorizar ou proibir a transmissão do espetáculo esportivo. Seu objetivo é permitir que emissoras de rádio continuem a transmitir jogos sem o respectivo pagamento – o que já fazem há mais de 80 anos.

O senador Marcelo Crivella questionou as regras do direito de arena, alertando para o risco de se criar no país uma lei Hugo Chávez, numa referência à censura imposta aos meios de comunicação pelo presidente venezuelano.

Alvaro Dias esclareceu que não alterou esse aspecto do projeto aprovado pela Câmara, o qual, conforme disse, consagra regras aplicadas na questão por vários países. O projeto permite a exibição de flagrantes de competições, como gols ou faltas, limitando-os a 3% do total de tempo de espetáculo ou 90 segundos.

Outra alteração feita pelo relator assegura aos profissionais credenciados pelas associações de cronistas esportivos, quando em serviço, o direito de acesso a praças, estádios e ginásios desportivos. O senador disse que muitas vezes eles são relegados a situações incompatíveis com o pleno exercício da profissão.

Moralização

Alvaro Dias propôs também a supressão de dispositivo do projeto aprovado pela Câmara segundo o qual “atos judiciais executórios de natureza constritiva não poderão inviabilizar o funcionamento das entidades desportivas”.

Sob o argumento de que a mudança significaria retrocesso na luta pela moralização do desporto, o senador afirmou que a lei não pode livrar de penalidades dirigentes desportivos desonestos.

O relator sugeriu também a supressão de dispositivo do projeto que trata do efeito suspensivo da punição de atletas. Segundo ele, Código de Justiça Desportiva já resolveu o problema adequadamente e, por isso, não é preciso regra específica na Lei Pelé.

Fonte: Djalba Lima / Agência Senado

COMENTÁRIOS:

O PL5186, que propõe mudanças na Lei Pelé (Lei nº 9.615/98), ainda precisa ser melhor discutido, há muitos interesses contrapostos e a votação não pode ser acelerada, sob pena de se criar injustiças. A pressão dos clubes é grande pela aprovação das mudanças, mas ainda há muita resistência, principalmente dos sindicatos dos atletas.

A questão dos monitores, depois de muita pressão dos profissionais de educação física, deve ser retirada do texto. Esse foi um assunto bastante discutido pelos leitores do extracampo, a maioria se posicionando contrária à figura dos monitores.

O Direito de Arena ser restrito às transmissões televisivas visa impedir a cobrança dos clubes pela transmissão dos jogos apenas em áudio, seja pelo rádio ou pela internet. Há algum tempo o Atlético-PR começou a cobrar das emissoras de rádio para a transmissão dos jogos.

A responsabilidade dos dirigentes não pode ser esquecida. Os presidentes ou diretores de clubes precisam ser mais profissionais e responaveis com as finanças dos clubes. Não é mais admissível nos dias atuais a gestão irresponsável dos recursos, gerando dívidas impagáveis aos clubes.

%d blogueiros gostam disto: