Santos oferece novo contrato a Paulo Henrique Ganso.

O Santos decidiu valorizar as suas jovens estrelas e investir nesses talentosos jogadores. Depois de Neymar, que aceitou ficar no Peixe, recusando a proposta do Chelsea, agora é a vez de Ganso reservar seu futuro ao clube paulista.

Mas, além da incrível compensação financeira, o contrato prevê benefícios aos jogadores, alguns que podem ser até considerados como investimento do clube para ter um maior lucro no futuro.

Vejam:

– Salário entre 400 000 e 500 000 mensais. A remuneração varia de acordo com algumas metas que devem ser cumpridas como, por exemplo, estar convocado para a seleção brasileira.

– Validade de cinco anos

– Aulas de inglês e fonoaudiologia, além de media training.

– Assistência especializada para o craque fazer a administração financeira do seu patrimônio.

As aulas de inglês, fonoaudiologia e media training, são, na minha opinião, as maiores inovações, mas que têm um caráter de investimento por parte do clube. Porque o aperfeiçoamento da postura, da fala, do trato com a imprensa e ainda o aprendizado de uma lingua estrangeira irão contribuir bastante para o “valor de mercado” desses atletas.

Percebe-se que, com isso, além de manter os atletas mais tempo no clube, aumentando as chances em campo, o Santos também aumenta as chances de lucrar ainda mais com a transferência desses jogadores. E, infelizmente, ou felizmente, a receita que vem da transferência de atletas é muito alta para ser descartada por paixões clubísticas exacerbadas ou qualquer sentimento nacionalista.

Sou totalmente a favor de se manter os atletas o maior tempo possível no Brasil, mas também sou a favor de se lucrar o máximo possível quando a saída deles for inevitável.

Fonte: VEJA

Anúncios

Projeto de lei quer limitar a convocação de atletas que atuam fora do Brasil.

O Projeto de Lei 7637/10 estabelece que 90% dos jogadores da seleção brasileira, de qualquer modalidade desportiva, devem ser escolhidos entre os que estejam atuando no País por pelo menos seis meses antes da convocação. O projeto está em análise na Câmara dos Deputados.

A intenção dos legisladores é valorizar o esporte nacional, mantendo os atletas mais tempo no país. Com isso, segundo o projeto, haveria mais incentivo aos jovens para a prática esportiva.

“A seleção de atletas profissionais de um País deve convocar os melhores jogadores, reconhecer seus maiores talentos. Contudo, deve ter em vista o aperfeiçoamento do esporte nacional. Assim, a convocação para a seleção brasileira torna-se importante para incentivar e estimular tanto as entidades desportivas nacionais quanto os atletas em atuação no Brasil”, afirma o Deputado Jovair Arantes (PTB-GO), autor da proposta.

Entendo que o incentivo ao esporte segue uma linha vertical, onde a base está nas escolas, que devem dar a estrutura necessária para a prática esportiva, passando pelos campeonatos infantis e juvenis, chegando até o topo da cadeia, que são os profissionais. O sucesso dos atletas de topo éessencial para influenciar os jovens e difundir o esporte.

Mas, apesar da boa intenção dos legisladores, vejo a proposta como uma inaceitável interferência do Estado sobre a iniciativa privada. Entendo, inclusive, que a proposta seria inconstitucional, uma vez que o art. 217, I da Constituição Federal dá autonomia de organização e funcionamento às entidades de administração do desporto.

Manter os atletas no país é importante, mas para isso é necessário profissionalismo, organização e estrutura, e não uma lei que proíba a convocação daqueles que atuam fora do país. Vejam o exemplo do vôlei, que repatriou atletas da seleção exatamente porque organizou e valorizou o campeonato nacional. Não precisamos de leis, precisamos de profissionalismo e seriedade no trato com o esporte profissional.

I Fórum Permanente para Discussão sobre a Violência das Torcidas de Futebol

Data: 15/09/2010 – quarta-feira

Local: Auditório da OAB, Recife/PE

Organização: Instituto Pernambucano de Direito Desportivo (IPDD), Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco (TJ/PE), Ordem dos Advogados do Brasil da Seccional de Pernambuco (OAB/PE) e Escola Superior de Advocacia de Pernambuco (ESA/PE).

19:00 – Abertura

19:10

Painel Violência das Torcidas de Futebol

Presidente de mesa: Fábio Sá Filho/PE (Advogado. Mestre em Direito. Professor da FBV, UNICAP e ESA/PE. Membro da AIDTSS, do IBDD, da Comissão de Direito Desportivo da OAB/PE e do INAMA/PE. Diretor Presidente e Associado fundador do IPDD)

Mediador: Expedito Bandeira/PE (Advogado militante da área de Direito Público. Conselheiro da OAB/PE. Presidente da Comissão de Direito Desportivo da OAB/PE)

Tema: Torcidas organizadas, cultura e sociabilidade no Brasil

Palestrante: José Luiz Ratton/PE (Professor pesquisador do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE. Coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Criminalidade, Violência e Políticas de Segurança – NEPS – da UFPE. Assessor Especial do Governador para a área de Segurança Pública)

Debatedor: Ailton Alfredo/PE (Juiz Coordenador do Juizado Especial Cível e Criminal do Torcedor de Pernambuco. Mestrando em Direito. Professor Universitário. Membro do IBDD e Associado fundador do IPDD)

20:50 Encerramento

Inscrições:

Ordem dos Advogados do Brasil da Seccional de Pernambuco (OAB/PE)

Rua do Imperador Pedro II, 235, Santo Antônio

Junto às Sras. Ana da Hora e Ana Maristela (Setor de Comissões)

Das 9h às 12h e 14h às 18h

Telefone: (81) 3424-1012 Ramal 230

Doações:

Não será cobrada taxa alguma. Apenas quem quiser, poderá doar 1 kg de alimento não-perecível, água mineral, roupas e/ou cobertores para serem repassados às vítimas da enchente em Pernambuco.

Atenção: os donativos serão coletados a qualquer tempo na sede da OAB/PE (de preferência, o quanto antes).

%d blogueiros gostam disto: