D’Alessandro suspenso por 60 dias (metade da pena)

O jogador argentino do Internacional, o meia D’Alessandro, foi punido com uma suspensão de 60 dias pela Comissão  Disciplinar. O atleta foi denunciado no art. 253 do CBJD, que prevê uma pena de 120 a 540 dias de suspensão. Muitos questionam: por que o atleta foi suspenso por 60 dias se a pena mínima é 120 dias?

Na verdade, o meia não chegou a agredir o adversário, mas tentou. Por isso, a infração não foi consumada, foi tentada. Segundo o CBJD, pune-se a tentativa com a mesma pena da infração consumada, reduzida pela metade. Vejam o art. 157, especialmente o §1º:

Art. 157 Diz-se a infração:

I -consumada, quando nela se reúnem todos os elementos de sua definição;

II -tentada quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstâncias alheias à vontade do agente.

III-dolosa, quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo;

IV-culposa, quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou imperícia.

§ 1º Salvo disposição em contrário, pune-se a tentativa com a pena correspondente à infração consumada, reduzida da metade.

§ 2º Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se a infração.

Respondida a questão.

Agora, o Internacional deve entrar com um recurso, que pode ter efeito suspensivo, autorizando o atleta a disputar os jogos até ser julgado pelo Pleno do STJD. Em outra oportunidade eu esclareço o que é esse tal efeito suspensivo.


Anúncios

Internacional atinge a marca de 90 mil sócios.

escudo do internacionalO Internacional premiou a sócia número 90 mil com uma camisa personalizada, mas, na verdade, o clube já chegou à marca de 92 mil sócios. O objetivo é chegar aos 100 mil ainda esse ano, que é o ano do centenário do clube. E pelo andar da carruagem, ninguém duvida que vão conseguir.

Para o Inter, os sócios são muito importantes e constituem a principal fonte de renda do clube. A ação dos colorados para chegar à marca histórica não é um simples marketing, é um investimento. Com isso, o clube poderá, em breve, ter uma saúde financeira única no país.

O aumento no número de sócios pode ser uma boa arma contra outro problema do nosso futebol, os cambistas. Com uma quantidade significativa de sócios, em breve o clube não venderá mais ingressos ao torcedor comum, o que já aconteceu na final da Copa Sulamericana. Com os ingressos sendo vendidos somente aos sócios não haverá espaço para cambistas.

Estamos sempre discutindo novas receitas para os clubes de futebol e sempre se fala em ações de marketing, licenciamento de produtos, etc. Mas, a melhor fonte de renda, sem dúvidas, é o sócio. Com uma receita expressiva desse segmento os clubes conseguem mais estabilidade e possibilidade de planejamento.

O Internacional é, definitivamente, um exemplo a ser seguido.

A crise e as transferências internacionais.

Escrevi na semana passada que a crise estava “ajudando” os clubes brasileiros, já que os estrangeiros estavam sem cacife para contratar. Mas, há quem não goste desta situação, uma vez que a venda de jogadores é uma importante fonte de receita.

O Cruzeiro se deu bem nesta janela, conseguiu faturar cerca de R$ 7,2 milhões com a venda de Guilherme e o empréstimo de Rômulo e Thiago Martinelli. Mas, muitos clubes que esperavam lucrar neste período não tiveram tanta sorte.

O Internacional, por exemplo, tem a venda de jogadores como parte do planejamento. O clube conta com esta verba para gerar riquezas. O “produto” da vez é o meia Alex, mas o jogador não teve nehuma proposta da Europa. Se houvesse, o clube faria negócio.

Enquanto a crise ajuda a manter os atletas no Brasil, também atrapalha quem quer lucrar com a transferência dos atletas.

Internacional precisa da Libertadores.

O Internacional de Porto Alegre completará 100 anos em 2009. E para a festa ser completa o clube precisa se classificar para a Copa Libertadores da América. Mas, o desejo de ficar entre os quatro primeiros do Brasileião não é só para agradar a torcida, o clube precisa da classificação para ter uma maior receita. Segundo Jorge Avancini, vice-presidente de marketing, a participação na competição representaria um aumento de 50% nas receitas.

“Isso traria um enorme impacto às nossas ações, com maior faturamento, receitas, cotas de televisão muito mais interessantes, renovação de patrocínios, venda de produtos licenciados e também para motivar uma maior associação de torcedores ao nosso programa de sócios. Claro que depende do desempenho do time dentro da Libertadores, também, mas cresceríamos em tudo, além de abrir oportunidades como foi, por exemplo, o Torneio de Dubai”, declarou o dirigente à Máquina do Esporte.

A participação na Copa Libertadores representa uma receita significativa. Para clubes como o Sport, que jogará pela segunda vez a competição, é uma chance de aumentar receitas e investir no crescimento do clube. Mas, para clubes como o Inter ou o São Paulo jogar uma competição internacional é questão de sobrevivência, tudo para manter os torcedores e os patrocinadores satisfeitos. Ficar de fora da Libertadores é um prejuízo até para os clubes mais bem estruturados.

Fonte: Máquina do Esporte.

Contratar é difícil.

A grande barreira para a contratação de atletas se chama “cláusula penal”. Quem gosta de futebol e acompanha o drama dos clubes brasileiros, especialmente os pernambucanos, na contratação de atletas já deve saber, mais ou menos, do que se trata.

É o seguinte: enquanto um jogador está sob contrato com algum clube, ele só pode se transferir se for paga uma multa: a cláusula penal. Mas, depois que o contrato se encerra, o atleta fica livre para negociar e ir para qualquer clube.

Pois é, esta cláusula é o grande fator que dificulta a contratação de novos jogadores. Para os clubes pernambucanos, que não têm muito dinheiro em caixa, pagar esta multa para contratar atletas é praticamente impossível. Então, como funciona? Ora, na maioria dos casos, os clubes contratam jogadores que já haviam encerrado o contrato, ou então tomam emprestados dos grandes clubes do sul.

Exemplos: Roger do Sport e Wellington do Náutico vieram emprestados, assim, não foi preciso pagar nenhuma multa. Fumagalli já havia encerrado contrato com o clube do Catar, por isso não foi preciso pagar multa. Esta é a situação da maioria dos atletas que estão atuando nos clubes pernambucanos.

Enquanto isso, os bons jogadores, que, normalmente, têm contrato com algum clube, só são liberados com o pagamento desta multa, ou seja, o clube interessado tem que “comprar” o jogador. E, convenhamos, quem tem um bom atleta, especialmente um atacante matador, não vende barato.

Por isso é tão difícil contratar, principalmente no meio da temporada. Não há atletas disponíveis sem contrato, nem clubes dispostos a emprestar de graça um bom jogador. No começo da temporada é mais fácil, porque é quando vencem os contratos e é quando os grandes clubes disponibilizam atletas para empréstimos.

Então, sem dinheiro para pagar a multa, dificilmente os clubes conseguirão contratar bons jogadores. Enquanto isso, lá no sul-maravilha, as condições financeiras são bem diferentes. O Internacional, por exemplo, pagou cerca de U$ 7 milhões por D’Alessandro. Aqui em Pernambuco, pagar milhões por um atleta é, simplesmente, impossível, inviável e irreal.

A importância dos sócios.

Por que tentar aumentar o número de sócios? Para aumentar a receita (resposta óbvia). Mas por que os clubes pernambucanos não têm uma campanha sólida para atrair sócios, e mais, por que será que muitos desprezam seus sócios e dificultam ao máximo as suas vidas? (pergunta retórica).

O Internacional de Porto Alegre é um exemplo de administração, estrutura e principalmente na forma como trata seus sócios. Para o Inter seus sócios são mais do que torcedores, são parceiros, e por isso são tão bem tratados. Depois de conquistar o título gaúcho o clube teve uma média de um associado a cada dois minutos.

O colorado chegou à marca de 75.650 sócios, que lhes rende aproximadamente R$ 2,6 milhões por mês. A meta é chegar aos 100 mil sócios até o fim do ano, já que em 2009 o clube festeja o seu centenário. Com isso, o clube brasileiro se tornará um dos maiores do mundo nesse aspecto (os maiores são: Benfica, 170.645, o Barcelona, 157.122, e o Manchester United, 151.079).

Enquanto isso, o Sport, campeão pernambucano, que derrotou o clube gaúcho na Copa do Brasil, não está aproveitando as vitórias para traduzi-las em crescimento. O clube deveria ter aproveitado a boa fase para aumentar seu número de sócios, e com isso aumentar também sua receita.

Infelizmente o futebol pernambucano ainda está bastante atrasado em termos de organização e profissionalismo. Afinal, como conseguir novos sócios se não há campanha? Como manter os sócios em dia se não enviam boletos bancários, se forçam o sócio a ir ao clube pagar sua mensalidade? Com poucas vantagens, regalias ou privilégios fica difícil convencer alguém a se associar. A única razão para isso ainda é a paixão pelo clube.

Entrada gratuita no estádio, pagar com cartão de crédito, acesso fácil a ingressos, descontos nas lojas do clube e de outros parceiros, sorteio de prêmios, brindes, revista mensal, camisas comemorativas, associar-se pela internet, além de outras facilidades poderiam ajudar a angariar mais sócios para os clubes. Mas, para mudar é preciso mais do que simples vontade, depende de visão.

Internacional vai lançar mais um jovem.

Você sabe quem é Alexandre Pato? Titular do Milan, jogador da Seleção Brasileira e maior esperança para o futuro ataque da canarinha. Lembram da trajetória dele? Bom, não é um currículo extenso mesmo. O garoto foi lançado pelo Internacional de Porto Alegre no Mundial de Clubes, quando tinha apenas 17 anos. O jovem Pato foi uma aposta certeira do colorado, e depois de pouquíssimo tempo foi vendido por muitos milhões de reais ao Milan, da Itália.

Agora, Abel Braga, técnico do Inter, que também era o técnico na época de Pato, vai lançar um novo “produto” no mercado. Trata-se do jovem Éder, atacante, que, segundo o técnico, é um jogador extremamente rápido e de muita qualidade. O garoto deve entrar na próxima partida do Inter pelo campeonato gaúcho. Vamos esperar pelo desenvolvimento do atleta, mas pelo histórico do Inter, podemos prever mais um grande negócio no futuro.

Fonte:
http://globoesporte.globo.com/ESP/Noticia/Futebol/Internacional/0,,MUL363588-4410,00.html

%d blogueiros gostam disto: