Kaká no Real Madrid.

kaka real madridO jogador confirmou em entrevista coletiva no Recife o que já era esperado. O meia vai defender o Real Madrid na próxima temporada. Uma transferência de 65 milhões de euros, a segunda mais cara da história do futebol mundial.

Recentemente o jogador rejeitou uma transferência ainda mais cara para o Manchester City. Na época eu disse que ficar no Milan era uma sábia decisão. Agora eu afirmo, ir para o Real Madrid é mesmo uma boa decisão.

Esse tipo de transferência não deve ser analisada com base nos números apenas. O jogador já tem estabilidade financeira para mais algumas vidas, a escolha não foi feita por ganância. Na verdade, o Milan precisava sim dessa verba e foi obrigado a “vender” o jogador. Mas, para Kaká, a transferência deve ser analisada pelo aspecto esportivo e não financeiro.

O Real Madrid é um dos maiores clubes do mundo e a nova “era galática” prometida pelo presidente eleito é a razão para que ele aceite a transferência. Diferente do Manchester City, no Real Madrid ele irá lutar pelos grandes títulos e pela coroa de melhor do ano. Esportivamente é um grande negócio, financeiramente nem se fala.

Quanto ao número que irá usar, Kaká já afirmou que não quer o nº 5, pois quer evitar comparações com Zidane. Concordo com ele, o jogador deve fazer a sua própria história e não seria nada bom viver à sombra de um ídolo recente do clube.

Quem deve estar bastante contente com a transação é o São Paulo. O tricolor vai receber uma parte desse montante por ser o clube formador. A FIFA estipula um valor máximo de 5% como mecanismo de solidariedade. Para ter diretio a toda essa verba o clube precisa manter o atleta dos 12 aos 23 anos. Kaká saiu do Morumbi com 18 anos, por isso o São Paulo receberá menos que os 5%.

Anúncios

Cotas de TV… na Itália.

lega_calcioEstou sempre criticando o nosso atual sistema de divisão das cotas de televisionamento. Admito que deve haver diferenças pela popularidade e visibilidade dos clubes, mas a diminuição do abismo é essencial para fortalecer a competição e igualar os clubes na disputa do campeonato.

Mas, pior é na Itália. Na terra do Calcio os direitos de transmissão são negociados individualmente, o que gera uma receita de 95 milhões de Euros para clubes como Milan, Inter e Juventus, enquanto clubes como o Catania, Reggina ou Siena arrecadam apenas cerca de 4,5 milhões de Euros por ano.

No próximo ano, porém, será criada a Série A League, que negociará os direitos coletivamente, para depois distribuir entre os clubes. A nova liga já tem o apoio da Federação Italiana de Futebol. Com o novo sistema se espera diminuir a distância financeira entre os clubes italianos, aumentando a competitividade. Com isso, pode acabar o monopólio dos 3 grandes clubes, que vencem todos os anos.

No Brasil ainda temos um Campeonato Brasileiro muito disputado onde há vários clubes capazes de conquistar o título, diferente das ligas nacionais da Europa, onde poucos clubes se revezam na liderança. Mas, com a importância atual das verbas de televisionamento, que é a principal receita dos clubes, a disparidade das cotas pode gerar um distanciamento entre os clubes e concentrar o título nas mãos dos mais famosos, algo que seria extremamente prejudicial ao nosso futebol.

É preciso ficar de olho, quanto mais igualdade tivermos, melhor será a competição.

Fonte: Futebol Finance

David “fenômeno de marketing” Beckham.

O astro inglês, David Beckham, poderá vestir a camisa do MIlan a partir de janeiro. Como seu atual clube, o Los Angeles Galaxy, não se classificou para a fase final do campeonato americano, ele pediu para ser emprestado por seis meses, só assim poderia manter seu lugar na seleção inglesa.

Os dirigentes do MIlan adoraram a idéia, claro. Mas, o rendimento do jogador em campo pouco importa, importante mesmo é o retorno que ele trará extra campo. Em enquete da Gazzetta dello Sport, mais de 70% da torcida do time italiano pensa que a contratação é puro marketing e acrescentará pouco ao time de Kaká, Ronaldinho e Pato.

Segundo um cálculo feito por Simon Chadwick, especialista em marketing e fundador do Centro de Negócios Internacionais e Esportivo da Universidade de Coventry, o clube vai faturar € 15 milhões (R$ 43 milhões)
rapidamente após a contratação do inglês. O mercado asiático é um grande responsável por isso. Não é a tôa que o presidente do Milan está agradecido pelo atleta ter escolhido seu clube.

Nem a crise mundial derruba David Beckham.

Camisa relâmpago.

O Milan acaba de contratar Ronaldinho Gaúcho e o departamento de marketing agiu rápido. Menos de 24h depois da contratação, o site do clube já colocou em pré-venda a camisa do craque. O torcedor pode encomendar o uniforme, ainda sem número definido, com o nome de Ronaldinho gravado nas costas. Os preços variam entre €70 e €90, sem frete, e a camisa deverá estar disponível já na próxima semana.

Enquanto isso, no Brasil, o Sport, campeão da Copa do Brasil, anunciou que lançaria uma camisa comemorativa do título. E mais de um mês depois, os torcedores ainda não viram a cor dessa camisa. Pelo menos no site oficial, nada. O título passou, a euforia da torcida esfriou e outro campeonato já chama atenção. O Sport perdeu uma grande oportunidade de lucrar. Acredito que a camisa ainda possa vender, mas nem perto do quanto venderia se houvesse sido lançada com mais agilidade.

Enquanto o rubro-negro de Milão dá exemplos de agilidade no marketing, o rubro-negro pernambucano dá exemplo de lentidão e amadorismo.

Ronaldinho é do Milan.

Ronaldinho Gaúcho, depois de muita especulação, finalmente definiu seu futuro. O craque vai jogar pelo rubro-negro italiano na próxima temporada. De acordo com o jornal “Mundo Deportivo”, o Milan vai pagar ao Barcelona € 21 milhões (R$ 53,2 mi) mais variáveis que podem chegar até € 4 milhões (será pago este valor integral caso o Milan consiga vaga na Liga dos Campeões com o craque) para levar Ronaldinho.

Com a abertura da janela de transferências na Europa, o mercado da bola está mais movimentado do que nunca. Além das transferências locais, muitos sul-americanos estão seguindo para o velho continente. Mas, claro, outros fazem o caminho inverso e retornam a seus países.

Confira a movimentação do mercado da bola no globoesporte.com:
http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Futebol/0,,MUL645205-9842,00-VAIEVEM+DO+MERCADO+EUROPEU.html

Colônia de férias.

Todos os anos o Milan, da Itália, monta no Brasil o “Milan Junior Camp”, um acampamento de férias onde as crianças treinam futebol com técnicos das categorias de base do Milan. Os jovens desembolsam entre R$ 1.650,00 e R$ 2.000 por uma semana no acampamento. Além da acomodação, alimentação e treinamento, os jovens recebem uniformes do clube italiano e concorrem a uma viagem para Milão.

Ao contrário do que alguns possam pensar, esta não é uma forma de descobrir novos talentos, é uma ação de marketing. O projeto é dirigido a crianças de alta renda, futuros consumidores da marca. Esta ação visa criar um laço de identificação entre a criança e o clube, conquistando novos torcedores e expandindo a visibilidade da marca.

No Brasil, o Coritiba lançou algo parecido. Uma colônia de férias com treinamentos de futebol para a garotada, desenvolvida no centro de treinamento do clube. É uma boa ação de marketing, conquista e fideliza os jovens, criando uma identificação entre a criança e o clube.

Bom exemplo para os que pensam que o marketing esportivo se limita à criação de produtos com a marca do clube.
Confira o site: http://www.milanjuniorcamp.com.br/html/index.htm
Vale a pena conferir também o texto de Maurício Bardella no Blog Futebol & Negócio: http://futebolnegocio.wordpress.com/

 

Contrato de risco para Ronaldo.

O presidente do Milan, Sílvio Berlusconi, reafirmou o interesse em contar com Ronaldo após a sua recuperação. Mas, o contrato que será oferecido ao fenômeno é por produtividade. Assim, o valor dos salários do atleta serão proporcionais ao número de jogos que dispute. Bom, se analisarmos a quantidade de jogos que Ronaldo disputou na última temporada, podemos perceber que o Milan não pagará muito para ter o atacante no elenco.

Ronaldo ainda vai demorar um bom tempo para voltar aos gramados. Ainda especula-se que o jogador se aposente e não retorne ao futebol profissional. Mas, se a vontade do camisa 99 é mesmo de atuar e encerrar sua carreira com mais uma virada, o contrato do Milan parece ser muito interessante. O pagamento por produtividade pode ser um excelente incentivo para Ronaldo, que não está muito preocupado com sua situação financeira. Torço por Ronaldo, apesar de achar que já chegou a hora dele parar, já que o atleta não vinha conseguindo manter a forma nem atuar em várias partidas seguidas, tendo sofrido lesões frequentes.

%d blogueiros gostam disto: