Balanço do Sport na Libertadores

Agora que a Copa Libertadores acabou para o Sport, está na hora de fazer um balanço. E, pode ter certeza, apesar da eliminação, o balanço é positivo. O Sport saiu de vez do rol dos coadjuvantes para ser protagonista do futebol brasileiro.

A primeira lição que podemos tirar dessa competição é o preço dos ingressos. O valor cobrado nas três primeiras partidas afastou o torcedor da Ilha do Retiro. O erro foi consertado e nas oitavas de final o estádio estava repleto. O detalhe é que a renda foi mais ou menos a mesma.

O pacote de ingressos para os primeiros jogos foi uma excelente ideia, mas a execução poderia ser melhor. Muitos reclamaram de ter que trocar os ingressos antes de cada partida. Agora o clube pode pensar em estabelecer esse tipo de venda para outras competições, como o Campeonato Brasileiro.

A rivalidade criada com o Palmeiras também deve ser vista pelo lado positivo. Ao considerar o Sport como um rival dos paulistas está se colocando o rubro-negro no mesmo patamar dos grandes clubes do sudeste, afinal, para ter rivalidade é preciso ter igualdade de forças.

O Sport Recife, hoje, é um time respeitado pelos adversários, e mais, é temido quando joga na Ilha do Retiro. Hoje ninguém subestima o Leão, e vêm ao Recife com medo da derrota, precavidos e, muitas vezes, retrancados. Nem sempre foi assim, as conquistas do clube é que impuseram essa nova realidade.

No fim, a conclusão que chegamos é de que o Sport gostou da competição, a torcida esperava ansiosa pelos jogos, a diretoria se empenhava para fazer uma bonita festa e o elenco lutava e se dedicava para conseguir as vitórias. Lamentar a eliminação é reconhecer que o time poderia ter ido muito mais longe, porque tinha futebol para isso.

Agora, para voltar a viver esse belo momento, é preciso se concentrar e buscar uma nova classificação. O Leão saiu fortalecido dessa batalha e mostrou para o Brasil e o mundo a garra de um clube centenário que enche de orgulho a sua torcida. E caso não se classifique, o clube terá a chance de disputar novamente a Copa do Brasil, que traz boas lembranças.

Então, é bola pra frente.

São Paulo e Nacional: classificados sem jogar.

A Conmebol oficializou a saída dos clubes mexicanos da Copa Libertadores da América. A entidade decidiu que os clubes que disputariam a vaga nas quartas de final com os mexicanos se classificariam direto. Essa decisão, porém, não foi bem vista por outros clubes, como o Grêmio, que pretende questionar a decisão.

De fato, a classificação automática dos dois clubes acaba sendo injusta com os demais, que vão jogar para conquistar a vaga. Outra opção, e que me parece ser a mais correta, seria classificar os terceiro colocados dos grupos dos mexicanos, que jogariam as oitavas de final. Assim, o Everton, do Chile, entraria no lugar do Chivas e o Universitario, do Peru, ocuparia a vaga do San Luís.

A gripe atrapalhou a competição e a Conmebol tem se mostrado pouco hábil para lidar com a situação. A polêmica não vai acabar aqui e o assunto que parecia estar decidido poder ter uma reviravolta. O grande problema é que o impasse pode complicar o calendário e atrasar a competição. O que quer que seja que se decida, tem que ser logo.

Renda recorde

No jogo de ontem à noite, quando o Sport venceu a LDU por 2 a 0, a Ilha do Retiro não lotou, mas a renda da partida foi um recorde em Pernambuco, R$ 929.740,00.

O preço dos ingressos afastou os torcedores. Foi cobrado R$100,00 pela arquibancada e R$50,00 para geral, sócio e estudante. O assento especial, que custava R$ 120,00 foi um dos setores mais vazios do estádio.

Mas, não foi só o preço dos ingressos que afastou o torcedor, houve muita informação desencontrada. As notícias sobre a venda de ingressos davam a entender que os mesmos estavam se esgotando. Mas, poucas horas antes da partida a direção colocou à venda 7.500 ingressos, entre estudante, geral e sócio.

Houve desencontro também com relação à geral do lado do placar, que seria destinada a sócios. Só pouco antes do jogo o local foi destinado a torcedores com ingresso de “geral”. Essa desorganização prejudicou o torcedor, que poderia ter ido se soubesse da facilidade em comprar ingresso.

Mesmo assim, a diretoria afirma que não irá baixar o preço dos ingressos, uma vez que já estão vinculados pelos carnês que foram vendidos. Mas, estudam a possibilidade de colocar mais ingressos de estudante à venda.

Na verdade, fica a pergunta: o que vale mais a pena, lotar o estádio ou ter uma renda recorde? Os dois seria bom, mas eu fico com a segunda opção.

Orgulho de ser pernambucano.

O Sport venceu o Colo-Colo por 2 a 1, ontem, no Chile, na estréia do time na Copa Libertadores. A vitória heroica e histórica foi notícia de primeira página nos jornais, e a cidade amanheceu repleta de camisas rubro-negras pelas ruas.

A vitória, porém, é motivo de orgulho não só para os torcedores do Sport, mas para todos os pernambucanos. Mesmo os que torciam contra ficaram contentes com a atuação do time no jogo de estreia, não pelo resultado, mas muito mais pela garra, determinação e vontade que os atletas demonstraram em campo.

O Sport está levando a bandeira de Pernambuco para o resto do continente, e a determinação desses atletas dentro de campo reflete o espírito guerreiro dos nordestinos.

Tricolores e alvirrubros podem ter torcido contra, mas com certeza amanheceram com o orgulho de ser pernambucanos.

Parabéns ao Sport.

Confira os lances da partida através do vídeo da globoesporte.com:

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

***

Participe do Curso de Direito Desportivo. Para fazer a pré-inscrição acesse o site da ESA. O programa está aqui.

Camisa dourada.

camisa-douradaO Sport demorou mas lançou os produtos alusivos à conquista da Copa do Brasil. Na última sexta-feira o clube lançou o DVD: “Sport Club do Brasil”, que conta a tragetória ao título com enfoque na participação do torcedor nesta conquista.

Além do DVD, o clube lançou uma camisa dourada, que deve ser usada em alguns jogos da Libertadores 2009. A camisa é o 4º uniforme do Leão, que tem uma camisa com listras horizontais vermelhas e pretas, uma camisa branca e outra preta. Com isso, o uniforme dourado deve ser a última opção na hora de vestir o time, mas deve ser mesmo usado durante a competição internacional.

Independente se este uniforme trará sorte ao time, a torcida já o abraçou. Lançada na sexta-feira, a camisa só precisou de um fim de semana para se esgotar. Foram 2.500 camisas vendidas em um fim de semana. O estoque deve ser reposto ainda hoje.

Isso mostra aos departamentos de marketing que vale a pena inovar, e que é possível ganhar dinheiro vendendo camisas diferentes. Foi assim com a camisa roxa, a mais vendida do Corinthians, e agora com a camisa dourada, que deve ser a mais vendida do Sport em 2009.

Agora, só falta os clubes manterem este sistema nos próximos anos, lançando camisas diferentes para agradar ao torcedor/consumidor. Na Europa, por exemplo, o msegundo uniforme dos clubes muda bastante a cada ano, isso estimula o torcedor a comprar, a cada ano, uma camisa nova do seu clube.

Ganhar dinheiro com a Libertadores.

O globoesporte.com divulgou os valores que os clubes irão receber na disputa da Copa Libertadores da America. Segundo o site, se o clube chegar à final pode faturar quase R$ 14 milhões. Sem contar com a receita de bilheteria e venda de produtos. Porém, os dirigentes alertam, o valor parece muito, mas está longe de ser uma maravilha.

Entre cotas de publicidade e TV, rendas, premiação por participação e avanço de fases e bônus do patrocinador do torneio, estima-se que um clube que chegue à decisão arrecade cerca de R$ 13,7 milhões, fora o lucro indireto.

Mas, o custo com as viagens também é alto, então se o clube não souber aproveitar os outros benefícios da competição, não terá lucro. Além desse valor exposto acima, o torneio dá aos clubes a possibilidade de negociar com patrocinadores em outro patamar. O mais importante é a visibilidade da competição para os clubes, que devem aproveitá-la para lançar ações de marketing por exemplo.

Além disso, desportivamente há uma grande vantagem para quem disputa esta competição. Os atletas se sentem mais atraídos por estes clubes no início da temporada, o que facilita as contratações. Tudo porque o torneio dá visibilidade internacional, proporcionando negociações com grandes clubes, bom para o atleta e para os clubes, que podem usar a Libertadores para mostrar seus jogadores ao mercado e lucrar com a venda.

O dinheiro é bom sim, mas se quiserem lucrar com a participação na Libertadores, os clubes precisam aprender a explorar a visibilidade da competição.

Fonte: globoesporte.

Internacional precisa da Libertadores.

O Internacional de Porto Alegre completará 100 anos em 2009. E para a festa ser completa o clube precisa se classificar para a Copa Libertadores da América. Mas, o desejo de ficar entre os quatro primeiros do Brasileião não é só para agradar a torcida, o clube precisa da classificação para ter uma maior receita. Segundo Jorge Avancini, vice-presidente de marketing, a participação na competição representaria um aumento de 50% nas receitas.

“Isso traria um enorme impacto às nossas ações, com maior faturamento, receitas, cotas de televisão muito mais interessantes, renovação de patrocínios, venda de produtos licenciados e também para motivar uma maior associação de torcedores ao nosso programa de sócios. Claro que depende do desempenho do time dentro da Libertadores, também, mas cresceríamos em tudo, além de abrir oportunidades como foi, por exemplo, o Torneio de Dubai”, declarou o dirigente à Máquina do Esporte.

A participação na Copa Libertadores representa uma receita significativa. Para clubes como o Sport, que jogará pela segunda vez a competição, é uma chance de aumentar receitas e investir no crescimento do clube. Mas, para clubes como o Inter ou o São Paulo jogar uma competição internacional é questão de sobrevivência, tudo para manter os torcedores e os patrocinadores satisfeitos. Ficar de fora da Libertadores é um prejuízo até para os clubes mais bem estruturados.

Fonte: Máquina do Esporte.

%d blogueiros gostam disto: