O que fazer durante a Copa do Mundo?

Os clubes de futebol terão um bom tempo de paralisação devido à Copa do Mundo. A grande questão agora é: o que fazer nesse tempo? Temos três opções: dar férias ao elenco, ficar treinando ou disputar torneios.

Dar férias ao elenco não parece ser uma boa idéia, já que todos têm férias coletivas em dezembro, após o Campeonato Brasileiro. Com as férias, os atletas ficariam mais descansados, mas perderiam forma física e ritmo de jogo. Então, dar férias ao elenco só se for por um curto período.

Ficar treinando pode ser importante para reforçar a preparação física e dar mais entrosamento ao grupo. É normal que nesse período surjam novos contratados, então, essa seria uma boa chance de integrá-los ao grupo. Já que os clubes não conseguem fazer uma verdadeira pré-temporada devido aos campeonatos estaduais, o período da Copa do Mundo seria bom para investir na preparação física dos atletas.

Disputar torneios é, na minha opinião, a melhor opção. Fala-se em 45 ou 50 dias de paralisação, então, além de um torneio, haveria tempo para investir nos treinamentos, que também são indispensáveis.

A Copa do Nordeste pode renascer nesse período. Os clubes já conversam para tentar incluir o torneio nessas datas. Já os clubes do G4 paulista, São Paulo, Corinthians, Palmeiras e Santos, cogitam disputar torneios na América do Norte ou Europa, ou até mesmo organizar uma competição aqui no Brasil com convidados estrangeiros.

Esses torneios, além de serem úteis para manter os atletas em forma e com ritmo de jogo, seriam extremamente interessantes para os clubes, pois seriam fontes de receita, seja com patrocínio, TV ou bilheteria. Sem competições, o período da Copa deve gerar prejuízos aos clubes, que podem reverter a situação e buscar mais receitas nesse mesmo período.

É isso que querem os clubes paulistas, usar esse torneio para se capitalizar. O Corinthians já torce para que Ronaldo não vá mesmo à Copa e possa ser usado nesse torneio, atraindo mais investidores. O problema é que a final da Copa Libertadores é depois da paralisação, assim, caso algum desses chegue à final, pode optar por permanecer treinando ou enviar os reservas para o torneio.

Então, férias só se forem curtas, treinar é essencial, mas disputar torneios pode ser bom não só para o ritmo de jogo dos atletas como também, e principalmente, para os cofres dos clubes.

Pedido do Sport para anular gol do Palmeiras foi arquivado por falta de provas.

O Sport havia pedido a anulação do segundo gol do Palmeiras na partida que terminou 2 a 2 em São Paulo. No lance, o árbitro havia apitado um impedimento, mas depois deixou o jogo seguir e validou o gol do Palmeiras.

O Sport alegou ter ocorrido erro de direito e pediu a anulação do gol. O STJD, porém, não chegou a apreciar o pedido, arquivou o processo por falta de provas. Mesmo tendo as imagens e o áudio da televisão mostrando o lance.

“Essa decisão de arquivamento alegando falta de provas foi no mínimo singela. O STJD alega que o Sport não conseguiu uma confissão do árbitro. Mas a própria CBF posteriormente puniu o árbitro (foi afastado de forma preventiva). Esse foi um erro de repercussão nacional e internacional. O Sport vai apelar e recorrer da decisão”, destacou o vice-presidente jurídico do Sport, Eduardo Carvalho.

A decisão é mesmo curiosa. O que mais era necessário provar se a CBF admitiu o erro do árbitro e o puniu, e se o lance, reprisado milhares de vezes pelas emissoras de TV, está gravado? Com o fim do campeonato, não parecia haver muito interesse do próprio tribunal em julgar um caso tão polêmico. O melhor foi arquivar. O Sport pode recorrer, mas é improvável que algo mude.

Novo estádio do Palmeiras.

O projeto de reforma do estádio Palestra Itália foi aprovado. A transformação em uma arena multi-uso, nos moldes europeus e cumprindo todos os encargos da FIFA, custará cerca de R$270 milhões. A capacidade será de 42 mil pessoas e o projeto pode ser concluído já no final de 2009. A diretoria apresentou o vídeo abaixo para divulgar o projeto. Confiram:

O exemplo deve ser seguido por outros clubes. Como já escrevi várias outras vezes, ter uma arena deste porte, com restaurantes, lanchonetes, centro de convenções, etc, não é um custo, é um investimento. Só assim os clubes poderão tirar o máximo proveito dos seus torcedores. Futebol é negócio, e um negócio milionário, infelizmente alguns ainda adminisram clubes como se fossem padarias.

Barcelona compra Henrique do Palmeiras.

O clube catalão pagou €10 milhões (cerca de R$26 milhões) pelo jovem zagueiro palmeirense, cobrindo a proposta do Ajax que era de €7 milhões. O atleta já não treina mais no clube, foi dispensado pelo técnico Wanderley Luxemburgo que já esperava um desmonte do elenco na abertura da janela de transferências europeia.

O jogador ficou apenas quatro meses no clube. Comprado pela empresa Traffic junto ao Coritiba por R$5 milhões no início do ano, o atleta gerou um lucro de R$21 milhões à empresa. O Palmeiras ficará com apenas 20% deste valor, cerca de R$4,1 milhões. A intenção dos dirigentes alvi-verdes era manter o atleta até o fim do ano, mas a exigência do comprador e a vontade do atleta prevaleceram.

Mais uma amostra de que comprar direitos econômicos de atletas é um investimento de alto lucro. Mas, um conselho aos investidores, diferente de Henrique, nem todos os atletas têm potencial para este tipo de venda, é preciso saber analisar bem a situação.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Palmeiras/0,,MUL616802-9872,00-BARCELONA+COBRE+A+PROPOSTA+DO+AJAX+E+LEVA+HENRIQUE+POR+MILHOES+DE+EUROS.html

Palmeiras vai abrir concorrência contra a Adidas.

O clube paulista está insatisfeito com a atual fornecedora de materiais esportivos, a empresa alemã, Adidas. Apesar do sucesso de marketing alcançado com o lançamento do terceiro uniforme (o verde-limão) em 2007, os palmeirenses estão insatisfeitos com o fornecimento.

O primeiro desgaste veio das constantes críticas recebidas por diretores de que não são encontrados nas lojas kits de uniformes de uma linha infantil do Palmeiras. Outra rusga que apareceu foi em relação à dificuldade de a Adidas ser ágil para atender a demanda de criação de camisas especiais, fora do estabelecido no contrato de fornecimento.

Mas, o

principal motivo para abrir concorrência para 2009 é a inflação do mercado com a renovação do São Paulo com a Reebook por R$ 15 milhões anuais e a assinatura do Flamengo com a Olympikus por R$ 21 milhões. Agora o Palmeiras espera aumentar sua receita com um novo parceiro. Mas, as exigências vão além do valor do contrato, dando preferência a empresas nacionais, principalmente pela agilidade na entrega dos produtos.

fonte:

Caso Richarlyson.

O processo movido pelo jogador Richarlyson, do São Paulo, contra o dirigente do Palmeiras José Cyrillo Júnior chegou ao fim. O dirigente havia insinuado que o atleta era homossexual, o que gerou muitas polêmicas. O jogador moveu duas ações, uma criminal e uma civil por danos morais. A queixa-crime já havia sido rejeitada, agora o processo civil chega ao fim com um acordo entre as partes. 

O atleta pedia R$300 mil na inicial, mas se contentou com a doação de 10 cestas básica a uma instituição social por parte do dirigente. No fim, parece que o objetivo foi alcançado, o de levantar a discussão sobre o homossexualismo no esporte e sobre o preconceito. Mas, o que mais marcou o caso foi a sentença proferida em agosto do ano passado, quando o juiz afirmou que futebol é coisa pra macho. (leiam em: http://extracampo.blogspot.com/2007/08/futebol-coisa-pra-macho.html)

INGRESSOS

A venda de ingressos gera muitas polêmicas, desde o preço até a atuação dos cambistas. Hoje o Sport enfrenta o Palmeiras na Ilha do Retiro com uma promessa de casa lotada. Mas, a venda de ingressos para este jogo tem chamado a atenção. Filas quilométricas e cambistas aos montes tumultuaram as bilheterias do estádio nos primeiros dias de venda. A diretoria já havia anunciado que o ingresso aumentaria de preço hoje às 18h, mas o que impressiona é que a bilheteria só abrirá às 16h, ou seja, o torcedor tem duas horas para comprar os ingressos mais baratos.

Em São Paulo os ingressos para a partida final entre Palmeiras e Ponte Preta se esgotaram em apenas três horas. Agora há cambistas vendendo ingressos por R$ 200,00. E por causa desta ação dos cambistas há muita gente reclamando, de novo. Mas, há dirigentes que admitem: “os cambistas são um mau necessário”. O fato é que, se a torcida não comparece, quem fica com o ingresso na mão é o cambista, e não o clube.

Mas, tenho outras críticas a fazer, além da ação de cambistas. A alta concentração de venda nas bilheterias dos estádios e o pouco tempo de venda. Apesar de haver venda de ingressos em outros pontos, a maior parte dos ingressos fica mesmo no clube, o que gera filas enormes e confusões desnecessárias. Além do mais, os ingressos são postos à venda muito tarde, restando pouco tempo para os torcedores comprarem.

Só quero fazer uma sugestão: a venda on-line. É impressionante que na era digital os torcedores ainda precisem passar horas em filas e brigar contra cambistas para ter acesso aos ingressos. Está na hora de evoluir.

%d blogueiros gostam disto: